A Comissão de Direitos Humanos de Moçambique manifestou esta segunda-feira «grande preocupação com a onda crescente de criminalidade» que assola Maputo e arredores, e apelou apela ao Estado que tome as medidas de segurança necessárias.

Em comunicado, o organismo, sob alçada do chefe de Estado e presidido pelo advogado Custódio Duma, considera que a violência «tomou contornos alarmantes» e «perante a apatia das autoridades que deveriam levar a cabo medidas mais sérias no sentido de garantir a segurança das pessoas e dos seus bens nos bairros referenciados».

A organização refere as ações de vigilância popular já desencadeadas nesses bairros e as vítimas inocentes que a autodefesa já provocou, como o caso do conhecido artista plástico «Alexandria Ferreira assassinado na noite do dia 10 de agosto, enquanto se dirigia a sua casa».