«Primeiro, subam os impostos», afirmou o representante permanente do FMI em Angola, Nicholas Staines, citado pela Bloomberg, precisamente em Luanda. E ainda acrescentou:

«Eu adoro realmente impostos. É assim que um Estado funciona. Sem impostos, não há Estado»