“O grande afluxo de migrantes mais o grande número de pessoas que aguarda nas estações para prosseguir as suas viagens excedem as capacidades ferroviárias disponíveis”, precisou a empresa.