Dois irmãos, de nove e dez anos de idade, morreram, ao pisar uma mina antipessoal a caminho da escola numa zona rural do município de Tumaco, em Nariño, junto à fronteira com o Equador, informaram, esta sexta-feira, os media locais.

Edilberto e Javier González Mina morreram numa zona onde opera uma coluna das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), de acordo com a Radio Caracol.

Estas mortes ocorrem uma semana depois de o Governo de Bogotá e as FARC, em negociações de paz desde 2012, terem anunciado um acordo para eliminar as minas antipessoais e outros engenhos explosivos.

Outros meios de comunicação social indicaram, porém, que os menores morreram enquanto brincavam com um artefacto explosivo que encontraram no caminho.

Segundo um relatório de uma organização não-governamental colombiana, as minas antipessoais e outros explosivos utilizados no conflito armado colombiano causaram até 11.800 mortos ou feridos durante os últimos 25 anos, um número que o Governo calcula em 11.043.

Mais de dois terços das vítimas (38%) são civis.

Segundo dados oficiais, existem minas antipessoais em 688 municípios dos poucos mais de 1.000 do país.