Atualizado às 13:37

Pelo menos, 31 crianças morreram carbonizadas num incêndio num autocarro no norte da Colômbia, no domingo, informou a Cruz Vermelha. Mas alguns meios de comunicação social locais avançam com 32 menores mortos.

Além dos menores, também um adulto perdeu a vida no acidente que aconteceu perto da localidade de Fundación. Há ainda registo de, pelo menos, dez pessoas feridas.

As crianças regressavam de uma cerimónia religiosa, numa cidade do norte do país. Este é o pior acidente, desde 2004, quando 21 crianças num autocarro, morreram esmagadas por um guindaste, em Bogotá.

Testemunhas descrevem cenas de pesadelo no autocarro em chamas. O condutor do autocarro escapou ileso e foi detido pela polícia. As autoridades suspeitam que autocarro fazia contrabando de gasolina.

«Havia um rapaz a tirar as meninas e uma rapariguinha esticou-lhe os braços mas as chamas que saíam do autocarro não permitiu que o rapaz retirasse a menina e ele teve de recuar. Havia alguns meninos a dar murros nos vidros e a bater com a cabeça. Corriam todos para trás. Foi horrível, impressionante. Foi um inferno, praticamente, o que vimos aqui», relata uma testemunha.

Ainda ninguém sabe explicar como este autocarro com 43 pessoas a bordo, na maioria crianças, ficou em chamas. Certo é que o veículo, com 43 pessoas a bordo, incendiou-se e ardeu totalmente em questão de minutos.

O condutor terá saído para resolver uma avaria no carburador dando origem ao fogo. Mas a rapidez com que o autocarro foi pasto das chamas levanta suspeitas. A polícia pensa que o veículo fazia contrabando de gasolina da vizinha Venezuela. Uma prática comum na região.

O condutor do autocarro não sofreu ferimentos e acabou detido para averiguações.