Pelo menos 50 extremistas do grupo jihadista Estado Islâmico morreram e dezenas ficaram feridos esta sexta-feira na sequência de bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos contra posições da organização em várias zonas da província iraquiana de Nínive, segundo fontes de segurança.

De acordo com o responsável de segurança da União Patriótica do Curdistão, Gayaz al Suryi, os ataques aéreos destruíram e incendiaram oito veículos militares, entre os quais, dois carros armadilhados, bem como armamento pesado.

A coligação dos Estados Unidos realizou mais de vinte bombardeamentos durante as últimas 24 horas, apesar do mau tempo, segundo o mesmo responsável.

Também esta sexta-feira, mas na Síria, aviões de guerra franceses bombardearam instalações de petróleo do grupo extremista perto da fortaleza de Raqqa. A informação foi divulgada pelo ministro da Defesa francês que visitou a base aérea da Jordânia, de onde os jatos descolaram.

“Fui informado das operações que visaram instalações de petróleo. Temos de continuar com esta lógica”, disse Jean-Yves Le Drian durante uma visita de Ano Novo à base, onde se encontram 250 franceses.


Os primeiros ataques franceses de 2016 foram levados a cabo por dois Mirage 2000, cerca das 02:00 (00:00 em Lisboa), de acordo com uma fonte militar na base.