O Parlamento Europeu aprovou, por uma larga maioria, regras que proíbem a clonagem de animais para fins agropecuários e a importação de alimentos e outros produtos provenientes desses animais.

"Todas as espécies de animais mantidos e reproduzidos para fins agropecuários, bem como a"importação de clones animais, clones em fase de embrião, descendentes de clones animais, produtos germinais [como sémen e embriões] de clones animais e seus descendentes, bem como géneros alimentícios e alimentos para animais provenientes de clones animais e seus descendentes.


É o que se lê no documento, viabilizado com 529 votos a favor, 120 contra e 57 abstenções.

Atualmente, a clonagem não é utilizada para fins agropecuários na União Europeia, mas a técnica é utilizada em alguns países terceiros, como os EUA, o Canadá, a Argentina, o Brasil e a Austrália.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos considera a clonagem principalmente como um perigo de bem-estar animal.

Um parecer da AESA refere existirem problemas com a saúde das mães-hospedeira (nas quais os clones são implantados) e dos próprios clones.