Os ministros da saúde dos países do G8 fixaram esta quarta-feira como objetivo encontrar até 2025 um tratamento contra a demência, durante uma cimeira, em Londres, consagrada a esta doença que afeta uma nova pessoa a cada quatro segundos.

Nos últimos anos, o mundo atacou «o paludismo, o cancro e o VIH/sida, e estamos hoje também determinados contra a demência», declarou em Londres o primeiro-ministro britânico David Cameron sobre o que considerou ser uma «tragédia humana».

«Espero que a data de 11 de dezembro de 2013 marque o início do contra-ataque internacional» à demência de que sofrem cerca de 40 milhões de pessoas no mundo, acrescentou perante os ministros da saúde dos oito países mais ricos (Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Canadá, Japão, Rússia e Estados Unidos).

Durante esta cimeira, o G8 fixou como objetivo «encontrar até 2025 um remédio ou um tratamento modificador» da demência, de que Alzheimer é a causa mais conhecida.

A urgência prende-se com o facto de um relatório recente sobre a doença comunicar que o número de pessoas que sofrem de demência aumentou 22% nos últimos três anos.

As perspetivas são muito negativas, com o número de pacientes a triplicar para 135 milhões em 2050, de acordo com o estudo.

Os países do G8 comprometeram-se também a «aumentar de forma significativa» a sua despesa em matéria de investigação médica.

Nenhum valor global foi avançado, mas os países participantes concordaram reunir-se no próximo ano para avaliar o progresso.