A família búlgara de Maria, a criança loura de ascendência cigana encontrada num acampamento na Grécia na passada semana, quer a menina de volta, mas teme que esta lhes seja retirada pelos serviços sociais.

«Deem-nos a Maria! Nós levamo-la para casa e partilharemos o nosso pão com ela. Não a abandonaremos por nada deste mundo», disse à agência francesa AFP a irmã mais velha Katia Ruseva, de 20 anos, que vive na cidade búlgara de Gurkovo com o marido e dois filhos.

Katia Ruseva contou ainda que costumava tomar conta dos oito irmãos, quando os pais trabalhavam na Grécia, e que quando estes regressaram à Bulgária, a mãe de Katia revelou ter deixado para trás uma bebé, Maria, por não ter dinheiro para pagar pelo passaporte.

Depois de ter sido encontrada a viver num acampamento cigano na Grécia, a 16 de outubro, o cabelo louro e olhos verdes de Maria foram difundidos em canais de televisão de todo o mundo. A criança transformou-se numa esperança para milhares de pais ocidentais cujos filhos desapareceram.

Na sexta-feira, testes de ADN confirmaram que Maria é filha do casal cigano búlgaro indicado pelos pais adotivos como sendo o pai e a mãe biológicos.

O casal de pais adotivos da criança foi detido pela polícia grega, suspeito de a ter comprado por quatro mil euros.