Natalie Cann tem 33 anos e nove filhos. Na última semana, veio para os jornais britânicos tornar públicas as condições deploráveis em que a família vive. Natalie e o companheiro reclamavam do Estado uma casa melhor e um carro, para poderem manter os filhos. Já recebem anualmente 38 mil libras esterlinas (quase 44500 euros) em subsídios e nenhum dos dois trabalha.

Agora, o pai vem a público repudiar o modo de vida da filha. «É deplorável! (...) Não a pusemos no mundo para isto! Estamos horrorizados!», diz o pai Stephen Cann, um reputado biomédico de 62 anos, que trabalha para o sistema britânico de saúde e vive numa casa de mais de 350 mil euros.

Ele e atual mulher, madrasta de Natalie e gestora num hospital privado, sentem vergonha do modo de vida da filha. «Passo a vida a dizer-lhe que não pode ter mais filhos, mas ela não me ouve. (...) Cada vez que lhe digo para arranjar um emprego, ela tem outro filho», conta o cientista.

Natalie, grávida do décimo filho, e o companheiro, antigo presidiário e ex-toxicodependente, parecem ter tomado a opção de fazer da subsidiodependência um modo de vida e Stephen só tem pena dos netos. «Ayesha, a mais velha, é apenas uma criança, mas tem de ser segunda mãe dos mais novos», diz, citado pelo «Dailymail».