A polícia madrilena deteve, esta quarta-feira, mais de 50 estudantes que ocupavam um edifício da vice-reitoria da Universidade Complutense de Madrid, para tentar fazer cumprir um boicote às atividades durante três dias.

Segundo informou a polícia à Europa Press, a Universidade explicou que o despejo e detenção dos alunos vem no seguimento de uma semana de «diálogos contra produtivos» com as pessoas «que ocuparam o edifício».

Como explicou fonte da Universidade, com a ocupação foi «negado o acesso do pessoal aos seus empregos na UCM, impossibilitando a atenção normal da comunidade universitária, uma vez que as portas estavam trancadas com correntes e cadeados».

No mesmo comunicado, diz o «El País», a fonte da UCM lamenta que estes grupos minoritários e intolerantes bloqueiem a visibilidade de expressão legítima do descontentamento e das reivindicações dos estudantes.

As manifestações e distúrbios provocados por estudantes estão a surgir um pouco por toda a Cidade Universitária, que fazem cumprir os três dias (25,26 e 27 de março) de boicote às atividades estudantis convocados pelo movimento «Toma la Facultad», organizado por várias associações de estudantes em luta contra os cortes e aumentos das taxas na educação.



Na rua professor Aranguren, por volta das 9 da manhã (8 em Lisboa), um carro de bombeiros foi chamado ao local para remover um grupo de estudantes que montou uma barricada ao trânsito local.

Os estudantes bloqueavam a entrada da faculdade de História e Geografia desde a 1 hora da manhã.