«Embora seja ainda muito cedo para ter certezas, informações preliminares indicam que esta catástrofe natural é potencialmente uma das piores da história do Pacífico», afirmou, em comunicado, Vivien Maidaborn, que dirige a Unicef na Nova Zelândia.