O secretário norte-americano da Defesa, Chuck Hagel, apresentou a sua demissão esta segunda-feira, apenas dois anos depois de ter assumido o cargo. Um pedido que já terá sido aceite pelo Presidente Barack Obama.

A demissão de Hagel surge na sequência de desentendimentos com a administração de Obama nas últimas semanas, segundo avança a imprensa internacional. Uma fonte do «Washington Post» afirmou que Obama e Hagel «decidiram que estava na altura de uma nova liderança no Pentágono».

Na origem desta decisão terá estado, segundo o «The New York Times», a vontade da Casa Branca em assumir uma nova estratégia para lidar com a ameaça que constitui o Estado Islâmico e ainda o facto de Hagel, o único republicano na pasta da Defesa, ser visto como um líder passivo, criticado quer pela respostas do Governo aos rebeldes jihadistas, quer pela forma como foi conduzida a crise do ébola. 

Apesar de as fontes citadas pela imprensa norte-americana afirmarem que a mudança resulta de um acordo com o Presidente, os órgãos de comunicação da especialidade levantam dúvidas quanto a um possível despedimento, uma vez que os assessores do secretário afirmaram recentemente que Hagel esperava cumprir os quatro anos de mandato.

Hagel permanecerá como secretário da Defesa até ser anunciado um novo substituto para o cargo, que terá de ser aprovado pelo Senado norte-americano. Na lista de possíveis substitutos figuram os nomes de Michele A. Flournoy, antiga sub-secretária da defesa, o senador Jack Reed, democrata de Rhode Island e antigo oficial do exército e Ashton B Carter, ex-vice-secretário da defesa que esteve na corrida ao cargo quando Hagel foi nomeado, em fevereiro de 2013.

Entretanto, Obama deverá fazer uma declaração ao país, ainda esta segunda-feira, sobre a mudança no Pentágono.