Um especialista norte-americano em segurança informática conseguiu aceder remotamente aos comandos de um avião alterando a trajetória, segundo o FBI.

O hacker, que  estava a bordo do aparelho quando se deu o incidente, tinha sido  proibido de voar pela United Airlines depois de ter feito publicações na rede social Twitter, em jeito de brincadeira, em que dizia ser capaz de aceder aos sistemas de voo de um avião. 

Chris Roberts admitiu ao FBI que invadiu entre "15 a 20 vezes" os sistemas internos dos Boeing 737, 757 e Airbus A-320, ligando um cabo da caixa eletrónica do avião, que se encontrava debaixo do banco onde seguia, ao computador pessoal e assim aceder aos comandos.

Nesta última "invasão", Roberts, que através de software obtinha informações do cockpit sobre o tráfego aéreo, fez com que o avião se inclinasse para o lado. 

Apesar das provas encontradas, o hacker não foi acusado de qualquer crime.