O número de mortos na sequência de uma explosão ocorrida no sábado numa fábrica metalúrgica da cidade chinesa de Kunshan, na província de Jiangsu, este do país, elevou-se a 75, revelaram fontes oficiais.

As autoridades de segurança do país, citadas pelas agências internacionais, referem também que a administração da fábrica ignorou «por diversas vezes» as advertências sobre a possibilidade de um acidente do género.

A explosão, na manhã de sábado, provocou ainda 185 feridos.

Yang Dongliang, responsável de segurança laboral na cidade, garantiu hoje que o acidente ficou a dever-se a um «incumprimento muito grave das normas de segurança», acrescentou a agência Xinhua.

As primeiras investigações apontam para o aceder de uma chama numa sala onde estavam materiais altamente inflamáveis.

A fábrica «Kunshan Zhongrong Metal Products», conhecida pelos trabalhadores migrantes, segundo o diário de Hong Kong South China Morning Post, como um local sujo, mas de altos salários, é propriedade de uma empresa de Taiwan especializada em componentes automóveis que tem como clientes empresas como a General Motors e outras companhias norte-americanas.

Pelo menos cinco dirigentes da fábrica já foram detidos pela polícia.

Esta segunda-feira, foram também reveladas imagens de uma câmara de vigilância, perto da fábrica, que registou o momento da explosão. O vídeo é do site de informação brasileiro «Terra».