A polícia da cidade de Shenzhen, no sul da China, revelou na segunda-feira ter detido dois executivos que, alegadamente, espalharam rumores sobre a entrada no país de 300 militantes da organização extremista Estado Islâmico (EI).

Os dois executivos terão alertado no sábado os funcionários da sua empresa de que as autoridades informaram que jihadistas do EI se dirigiam a Shenzhen, revelou a polícia num comunicado publicado no Weibo, o Twitter chinês.

Ambos foram detidos sob acusação de espalhar rumores sobre atentados terroristas, lê-se na mesma nota, citada pelo jornal oficial Global Times.