Os donativos obtidos por um casal chinês para salvar a vida do filho, que sofre de leucemia, foram congelados após este ter tentado vender a irmã gémea da criança doente para recolher mais dinheiro.

Segundo o jornal de Hong Kong South China Morning Post, o pai, Liang Yujia, foi fotografado na rua com a filha nos braços e um cartaz, no qual propõe oferecer a criança a quem pague o tratamento do filho, que foi recentemente diagnosticado com leucemia aguda.

Após a polémica, Liang afirmou que se tratou de uma forma de chamar a atenção para a situação e recolher mais fundos.

A resposta, no entanto, não convenceu as três plataformas de recolha de donativos, que congelaram um total de 90.000 yuan (11.480 euros) destinados ao casal, depois de as fotos se terem tornado virais nas redes sociais e na imprensa na China.

O tratamento do filho, que está internado no hospital da Universidade de Sichuan, fica por cerca de 600 mil yuan (76.560 euros).

Segundo a tradição chinesa, são os pais que transmitem o nome da família à geração seguinte, enquanto o apelido das mães não passa para os filhos, levando as famílias a favorecer crianças do sexo masculino.