Se dúvidas restassem, o regresso do "Estrela do Oriente" à sua posição natural desvaneceu-as definitivamente. Não foi encontrado mais nenhum sobrevivente dentro do casco do navio de passageiros que se virou no rio Amarelo, no leste da China, na noite de segunda-feira.

Os 14 sobreviventes foram todos resgatados nas primeiras horas a seguir à tragédia. Até agora, foram encontrados 103 cadáveres, mas já se sabe que o número final de mortos irá ser 442.

Para além destes números, há muito mais dúvidas do que certezas. Cerca de 1.200 familiares das vítimas convergiram para o local do naufrágio, mas estes ainda nem sequer tiveram acesso às listas oficiais de sobreviventes e de mortos confirmados, nem a outras informações consideradas essenciais.

Por isso, a insatisfação e os protestos têm aumentado de hora para hora. As questões mais ouvidas por esta altura têm a ver com o desempenho da tripulação do "Estrela do Oriente", já que a maior parte dos sobreviventes fazem parte desse grupo.

Algumas pessoas criticam o facto de o navio não ter sido conduzido a um porto quando a tempestade se aproximou, enquanto outras não percebem porque é que não houve tempo para os tripulantes avisarem os passageiros, mas já houve para vestirem os coletes que salvaram a vida a alguns.