He Zili tem 11 anos e vive acorrentado, praticamente, desde que fez um ano de idade. Terá sido nessa altura que deu uma queda e se magoou na cabeça. Desde então, alega o seu avô, desenvolveu um distúrbio mental e ataca as pessoas à sua volta, escreve a Reuters. O idoso pediu para não ser identificado pelo nome.

O menino vive numa zona rural, na província de Zhejiang, na China, em condições de pobreza extrema. O avô, com uma deficiência física, cuida do neto e do filho, que também sofre de deficiência mental. A mãe morreu de cancro.

O avô garante esta é a única maneira de controlar o menor. Em casa está acorrentado a um pilar e, às vezes, é levado a passear pela aldeia. Mas sempre preso com uma corrente. As fotografias são impressionantes.

As doenças mentais são um grave problema na China, mas as autoridades parecem ignorar a questão. Os tratamentos praticamente não existem e os apoios também não.

Segundo avança o «Daily Mail», as estatísticas mais recentes reveladas pelo Centro Nacional de Doenças mentais são de 2009. 100 milhões de chineses tem problemas de saúde mental e 160 milhões sofre de distúrbios graves como, por exemplo, esquizofrenia e psicose paranóica.

Com base nestes números, concluiu-se que um em cada 13 chineses sofre de um problema ou desordem mental.