Uma médica obstetra de Shaanxi, noroeste da China, foi esta terça-feira condenada à morte com pena suspensa por dois anos por ter traficado sete bebés, disse a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua, citando o tribunal local.

Zhang Shuxia, médica do hospital pediátrico de Fuping, foi considerada culpada de ter vendido sete bebés a traficantes de seres humanos depois de ter persuadido os pais que os recém-nascidos estavam doentes, alegou o Tribunal de 1.ª Instância de Weinan.

Um dos bebés acabou por morrer.

A médica foi detida em agosto passado, depois de uma mãe ter informado a polícia que suspeitava que o seu filho fora raptado. O bebé seria encontrado de boa saúde na vizinha província de Henan, no dia 5 de agosto.

Milhares de crianças serão anualmente raptadas na China, a maioria das quais são vendidas no país, para compensar os efeitos da restritiva política de «um casal, um filho» e satisfazer a tradicional preferência por filhos do sexo masculino.

Fonte do Tribunal de Weinan citada pela France Press indicou que Zhang Shuxia recebia 20.000 yuan (2.420 euros) por cada bebé do sexo feminino e 47.000 yuan (5.700 euros) por um bebé do sexo masculino.

A condenação à morte com pena suspensa é normalmente comutada em prisão perpétua.