O grupo Wanda, do magnata chinês Wang Jianlin, inaugurou este sábado, no sudeste da China,o primeiro de vinte parques temáticos com que pretende derrotar a Disney como referência mundial neste setor.

"Queremos que o nosso nome seja uma referência mundial", afirmou hoje Wang Jianlin, um dos chineses mais ricos do mundo, durante a inauguração do complexo na cidade de Nanchang, na província de Jiangxi, no sudeste da China.

Com um investimento de 3.350 milhões de dólares (3.000 milhões de euros), o novo parque temático ocupa uma área de dois quilómetros quadrados, em que os visitantes podem desfrutar de um parque de atrações e de um centro comercial com um aquário e salas de cinema.

Wang Jianlin espera atrair 10 milhões de turistas por ano ao parque de Nanchang, primeiro de um total de 20 parques que espera ter até 2020.

De acordo com os planos, 15 desses novos parques serão na China e os outros cinco em países diferentes, entre eles em Espanha, adianta a agência espanhola Efe.

O investidor chinês admitiu ter o objetivo de derrotar a Disney como líder mundial nos parques temáticos, durante uma entrevista à cadeia oficial CCTV, na qual defendeu que "a loucura pelo Mickey e pelo Donald já passou".

"[Disney] não deveria ter entrado na China", considerou na mesma entrevista, fazendo referência à Disneyland Xangai, que tem abertura marcada para 16 de junho.

Com a abertura em Xangai, a Ásia será o continente com mais parques temáticos da marca norte-americana, presente nos EUA, Paris, Hong Kong e Tóquio.

"Temos uma estratégia: um tigre não pode competir com uma alcateia", sintetizou Wang Jianlin sobre a Disney, aludindo a diferença entre o número de parques Disney e o que pretende abrir em cinco anos.

Com 62 anos, o presidente do conselho de administração do grupo Wanda aparece na 37ª. posição como uma das 50 pessoas mais influentes no mundo, pela agência de informação financeira Bloomberg.

Além da atividade empresarial, Wang Jianlin serviu o exército chinês entre 1970 e 1986 e foi deputado do Partido Comunista no Congresso.

Com atividade na área financeira, cultural e imobiliária, o grupo Wanda era no final do ano passado o maior proprietário em todo o mundo com um portefólio de 133 edifícios e 84 hotéis, com uma área total superior a 26 milhões de metros quadrados.