O líder do Partido Comunista numa aldeia do norte da China gastou 2,2 milhões de yuans (315.000 euros) em prendas para os seus conterrâneos, encarnando à sua maneira o princípio de «servir o povo» ensinado nas escolas do país.

Não é um gesto tipicamente proletário, mas o Partido Comunista Chinês (PCC) também já não é o que era.

Este caso, documentado com fotografias divulgadas na internet e na imprensa escrita tradicional, passou-se no último fim de semana em Dongjie, segundo a Lusa.

Trata-se de uma aldeia com cerca de 2.800 habitantes da vila de Yongnian, na província de Hebei, situada a 400 quilómetros de Pequim.