Um tribunal do norte da China absolveu um homem condenado a prisão perpétua, há quase 20 anos, por homicídio, no caso mais recente envolvendo um erro judiciário no país, avançou hoje a imprensa local.

Liao Haijun foi sentenciado pelo homicídio de duas crianças de nove anos, pelo Tribunal Popular Intermédio da cidade de Tangshan, quando tinha 17 anos. Também os pais de Liao foram condenados, a cinco anos de prisão, por encobrirem o crime.

Perante a "falta de evidências" e "factos pouco claros", um tribunal da província de Hebei, norte do país, diz agora que Chen e os pais, que, entretanto, morreram, não são culpados, noticiou o jornal The Beijing News.

Entre 2013 e 2017, os juízes chineses absolveram 6.747 condenados, após se comprovar que não eram culpados, segundo dados do Supremo Tribunal Popular.

Um dos casos mais mediáticos envolveu a execução injusta de Huugjilt, que com 18 anos foi considerado culpado de violar e assassinar uma mulher numa casa de banho pública. O verdadeiro culpado, Zhao Zhihong, foi preso em 2005 e executado em 2015.

Noventa e nove por cento dos réus na China são condenados.