O copiloto do Airbus A319 da companhia aérea Sichuan Airlines, que na segunda-feira foi obrigado a aterrar de emergência na China, quase foi sugado para o exterior quando a janela do cockpit se partiu e provocou o caos. 

O copiloto estava com o cinto de segurança, mas acabou por ser arrastado pelo "cockpit", quando a pressão e a temperatura caíram e o equipamento falhou, segundo o relato do piloto do avião.

O para-brisas partiu e provocou um som ensurdecedor. Quando dei conta, o meu copiloto foi sugado do lugar", disse o comandante Liu Chuanjian, citado pela BBC News. "Estava tudo a flutuar no cockpit. Não conseguia ouvir o rádio. O avião estava a abanar tanto que não consegui ler as calibrações", acrescentou.

De acordo com a Administração Civil de Aviação da China, o copiloto acabou por torcer o pulso e sofrer alguns cortes faciais. Outro membro da tripulação sofreu danos na cintura durante a aterragem.

Não sabíamos o que se estava a passar e começámos a entrar em pânico... Caíram as máscaras de oxigénio e acabámos por estar alguns segundos em queda livre antes de o avião estabilizar", contou um passageiro ao Chine News Service. 

Apesar do incidente, os 119 passageiros ilesos, 27 deles ainda foram examinados pelos médicos no hospital de Chengdu, avançou o South China Morning Post. Mais de 50 ainda apanharam um voo mais tarde para Lhasa. 

O Airbus A319 da Sichuan Airlines, que se deslocava-se de Chongqing, no centro da China, para a capital do Tibete, Lhasa, no sudoeste, aterrou a meio da viagem, na cidade de Chengdu, ainda em território chinês. 

O comunicado da Administração de Aviação Civil da China afirma que está a decorrer uma investigação para apurar as causas do incidente.