A Assembleia Nacional venezuelana propôs, hoje, formalmente, a realização de uma emenda à Constituição Nacional para permitir a reeleição presidencial indefinida de Hugo Chávez, tal como este tinha pedido.

A formalização da proposta foi transmitida em simultâneo e obrigatoriamente pelas rádios e televisões do país, tendo os parlamentares marcado a data de 18 de Dezembro para o primeiro dos três debates parlamentares que a lei exige, informa a agência Lusa.

Alegando estar a expressar a vontade do povo, a presidente do parlamento, Cília Flores, explicou que «se propõe modificar um só artigo, o 230, que actualmente diz: o período presidencial é de 6 anos, o presidente pode ser reeleito de imediato e por uma só vez para um novo período».

«Nós, deputados, pedimos que seja assim: o período é de 6 anos, o presidente pode ser reeleito», acrescentou.

Apesar das insistências de deputados do Podemos - um partido que apoiou o presidente Hugo Chávez mas passou depois a engrossar as filhas da oposição- e do partido Pátria Para Todos (PPT) -organização que apoia Hugo Chávez mas não quis diluir-se para fazer parte do Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV), a presidente da Assembleia Nacional não lhes permitiu intervir. Segundo Cília Flores, a iniciativa de emenda Constitucional partiu de 147 dos 167 deputados.

O deputado Carlos Escarrá explicou que os deputados que se opõe à emenda terão direito a intervir nos debates da próxima semana, ¿não hoje, em transmissão simultânea nacional¿ de rádio e televisão.

Os oposicionistas foram acusados de tentar sabotar a formalização da proposta.

O presidente Hugo Chávez manifestou, em diversas oportunidades, estar preparado para governar pelo menos até 2021, «até que o povo e Deus decidam».