Pelo “fim do ódio” racial e em defesa da mulher que morreu, sábado, quando protestava contra uma marcha supremacista branca, em Charlotttesville, os Anonymous atacaram o site neonazi norte-americano “Daily Stormer”, prometendo, ainda, perseguir o seu fundador.

Heather Heyer, uma defensora dos direitos civis, foi atropelada mortalmente, quando se insurgia contra a maior manifestação de extrema-direita dos últimos anos nos Estados Unidos e que levou o governador do estado da Virgínia a declarar o estado de emergência.

Fim do ódio: os Anonymous têm agora o controlo do Daily Stormer”, escreveram os piratas informáticos no site fundado pelo norte-americano Andrew Anglin, que não reside nos EUA.

A gota de água para os Anonymous foi o insulto à vítima.

“Heather Heyer: a mulher morta no incidente na estrada era uma gorda, vadia e sem filhos de 32 anos”,  publicou Anglin, no domingo.

Há demasiado tempo que o Daily Stormer e Andrew Anglin vomitam o seu ódio podre neste site”, justificaram os Anonymous, prometendo ainda uma visita a Anglin, que reside na Nigéria, “pelos aliados de Lagos”.

Não podemos permitir que o mal continue. Queremos que os nazis saibam que o seu tempo é curto”, defenderam, ainda, os Anonymous, que explicam, ainda, que só não apagaram o site para que “o mundo pudesse testemunhar o ódio”.

Também a companhia GoDaddy, onde o site neonazi tem o seu domínio, deu 24 horas ao Daily Stormer para encontrar outra plataforma na sequência do artigo a denegrir Heather Heyer.