O regime de Damasco anunciou, nesta terça-feira, que aceitava a proposta russo-norte-americana de cessar-fogo na Síria, mas que ia continuar a combater os "grupos terroristas" como o Estado Islâmico (EI) e a Frente Al-Nosra, excluídos do acordo.

"A República Árabe Síria anuncia que aceita a cessação das hostilidades, com base na continuação das operações militares para lutar contra o terrorismo do Daesh [nome árabe do EI], a Frente Al-Nosra e os outros grupos terroristas que estão relacionados, em conformidade ao anúncio russo-norte-americano", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros sírio, em comunicado.

O acordo de cessar-fogo vai entrar em vigor na Síria às 00:00 de sábado em Damasco (02:00 de sábado em Lisboa), segundo um comunicado comum entre os Estados Unidos e a Rússia, divulgado em Washington pelo Departamento de Estado.

A cessação das hostilidades – que desde há cinco anos provoca centenas de milhares de mortos e milhões de refugiados – não abrange, no entanto, o grupo jihadista Estado Islâmico e a Frente al-Nursa, o ramo da Al-Qaeda na Síria.

“A cessação das hostilidades aplica-se às partes envolvidas no conflito sírio que indicaram que vão respeitar e aplicar os termos” do acordo, acrescenta o comunicado.