Foi divulgado um vídeo que mostra o sofrimento de um doente perante a despreocupação e negligência das enfermeiras de serviço. O paciente em questão era um veterano de guerra, de 89 anos, que estava num lar de idosos em Atlanta, nos Estados Unidos. O caso remonta a 27 de fevereiro de 2014, mas só agora o Supremo Tribunal permitiu que a gravação fosse divulgada.

James Dempsey estava com dificuldades em respirar e pediu ajuda, tendo acionado o botão de emergência. Não só as enfermeiras do lar demoraram a reagir como foram filmadas a rir junto ao utente. Só ao fim de duas horas chamaram o serviço de emergência e executaram manobras de reanimação. Nessa mesma noite, o doente acabou por morrer.

O que as funcionárias não sabiam era que o filho do veterano de guerra tinha colocado uma câmara de vídeo no quarto do pai, câmara essa que conseguiu recuperar e cujo conteúdo seria determinante em tribunal.

Através das imagens foi possível estabelecer o filme dos acontecimentos. Tudo começa por volta das quatro horas da madrugada, quando James Dempsey começou a apresentar sintomas de asfixia e, muito inquieto, pressionou o botão de emergência. Passavam oito minutos quando chegou finalmente ajuda. No entanto, a enfermeira limitou-se a desligar o indicador de pedido de auxílio. Durante mais de uma hora, o idoso permaneceu sozinho. E quando as enfermeiras regressaram, Dempsey já tinha perdido a consciência.

Só por volta das 06:30 foram iniciadas as manobras de reanimação ao veterano, que já estava inanimado há cerca de uma hora, por entre risos das enfermeiras de serviço, que são audíveis na gravação.

Quando o caso chegou a tribunal, a supervisora das profissionais de saúde de serviço nesse dia mentiu sobre o ocorrido, dizendo que se esforçaram para tentar ajudar Dempsey, mesmo antes de este as ter chamado pelo botão de emergência. Wanda Nuckles e as restantes enfermeiras envolvidas perderam a licença para exercer. A família manteve-se em silêncio.