Os gestores do centro de acolhimento de imigrantes na ilha de Lampedusa, em Itália, demitiram os dirigentes do equipamento, após a difusão de um vídeo que mostra as condições degradantes oferecidas aos utentes.

Simultaneamente, a Liga de Cooperativas, responsável pela gestão do centro em questão, primeiro local para onde os imigrantes são enviados, anunciou a abertura de uma investigação externa para esclarecer o que aconteceu e apurar responsabilidades.

Também a procuradoria da Sicília, a que Lampedusa pertence, anunciou uma investigação aos eventuais maus-tratos no centro sobrelotado (com capacidade para 250 pessoas, alberga, nesta altura, o dobro).