Sabrina Corgatelli está a ser ameaçada de morte e de abusos sexuais depois de partilhar nas redes sociais as imagens dos animais selvagens que matou durante um safari na África do Sul, e após a polémica à volta do compatriota que tirou a vida ao leão Cecil, no Zimbabué, mas diz que a caça não passa de um passatempo, que justifica com passagens do Livro do Génesis.
 
“Toda a criatura viva que se mova será alimento para ti. E, como te dei as plantas, dou-te tudo. (…) Pega nas tuas armas, vai para o campo e caça para mim”, escreveu a norte-americana, que reside no Idaho, na sua página no Facebook.

Genesis 9:3 says, "Every moving thing that lives shall be food for you. And as I gave you the green plants, I give you...

Posted by Sabrina Corgatelli on  Sexta-feira, 31 de Julho de 2015


A lista de troféus de Corgatelli inclui uma girafa, objetivo que concretizou nesta viagem e com o qual se regozijou. “Dia 2: consegui matar uma girafa, que animal espetacular, não podia estar mais feliz. Nunca esquecerei este momento”, comentou nas redes sociais, juntamente com imagens do animal.

Day #2 I got a amazing old Giraffe. Such a amazing animal!! I couldn't be any happier!! My emotion after getting him was a feeling I will never forget!!!

Posted by Sabrina Corgatelli on  Sábado, 25 de Julho de 2015


Numa entrevista ao programa “Today” da NBC, em direto da África do Sul, a mulher disse ter noção da celeuma gerada à volta do dentista do Minnesota, Walter Palmer, acusado de matar Cecil, mas que isso não a impediu de partilhar publicamente a emoção de matar uma girafa, por sinal um animal herbívoro, visto como inofensivo para os humanos, apesar do grande porte.
 
“Todos pensam que somos apenas caçadores sem alma, mas estão errados. Há uma ligação com o animal e só porque os caçamos não significa que não tenhamos respeito por eles. Mas as girafas são animais muito perigosos. Podem ferir-nos com gravidade e rapidamente”, argumentou em sua defesa a caçadora.
 
Só uma coisa parece preocupar Sabrina Corgatelli no regresso aos Estados Unidos, após as férias. É que na sua página no Facebook consta num dos comentários detalhes sobre o seu local de trabalho.

“Tudo o que aqui fiz foi feito legalmente. Como podem condenar alguém pelos seus hobbies? Haverá sempre empregados a fazer coisas nos seus tempos livres que não são do agrado dos patrões. Mas como pode um patrão punir um empregado por algo que ele fez no seu tempo pessoal e de forma legal?”, questionou.