O Presidente da República reconheceu esta  que a situação no sul do Mediterrâneo constitui uma "ameaça para a Europa", sublinhando a necessidade de controlar a instabilidade naquela região do mundo.

Questionado esta tarde durante uma conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra da Noruega sobre a situação no sul do Mediterrâneo, o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, adiantou que foi um dos temas debatidos na audiência que manteve com Erna Solberg.

"Consideramos que a situação no Magrebe, na Líbia, no Iraque e na Síria é uma ameaça para a Europa. Por isso, é preciso pensar o que fazer para controlar a instabilidade naquela parte do mundo", disse Cavaco Silva.


Admitindo que a imigração ilegal é um "problema muito complexo que a União Europeia está a enfrentar, o Presidente da República distinguiu entre o flanco sul e o flanco oriental.

Pois, continuou, se no flanco sul é fácil identificar a ameaça, no flanco oriental isso é "muito mais difícil", reporta a Lusa.

"Mas, sabemos que há terroristas não apenas na Síria, no Iraque, mas também em algumas partes da região do Magrebe", disse, enfatizando a necessidade da colaboração entre a NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte, OTAN na sigla em inglês) e a União Europeia.

Referindo-se a Portugal, o chefe de Estado lembrou que o país está a contribuir para a estabilização de ambos os flancos, tendo forças militares nos Estados Bálticos, além das tropas que se deslocaram para o Mali, Iraque, Afeganistão.

"Estamos a contribuir para a estabilização de ambos os flancos", acrescentou.

Corroborando a preocupação de Cavaco Silva, a primeira-ministra norueguesa classificou como "uma tragédia" o que está a acontecer no Mediterrâneo, insistindo também na necessidade de "olhar para a origem do problema", nomeadamente a instabilidade da região, o terrorismo e a falta de perspetivas de futuro para os jovens africanos que querem vir para a Europa em busca de "uma nova vida".

"É muito complexo e difícil, são questões muito complicadas, por isso temos de continuar a ajudar", defendeu, reiterando, contudo, a necessidade de começar a lidar com as origens dos problemas.


O encontro de Cavaco Silva com a primeira-ministra norueguesa foi um dos pontos da agenda do primeiro dia da visita oficial do Presidente da República à Noruega, que começou esta manhã em Oslo e termina na quarta-feira à tarde em Bergen.