O ex-presidente do governo regional da Catalunha Carles Puigdemont deparou-se esta terça-feira com um jovem espanhol em Copenhaga, na Dinamarca, que o abordou e lhe mostrou uma bandeira espanhola, desafiando-o a beijá-la.

De acordo com o jornal espanhol El País, o líder separatista catalão encontrava-se sentado à mesa de um café, num centro comercial da capital dinamarquesa, quando o jovem, de nome Víctor Moreno, lhe perguntou se gostava daquela bandeira.

O político, que está fugido de Espanha depois de ter sido emitido um mandato de captura, respondeu: “Claro que gosto”. A pedido do jovem, Puigdemont beijou inclusivamente o símbolo do país, sublinhando que "não tem qualquer problema com Espanha".

No vídeo, que foi partilhado no YouTube, o jovem tentou ainda provocar o líder catalão, perguntando qual é o problema entre a Espanha e a Catalunha e obteve a seguinte resposta: "Votámos em massa".

No final, o jovem deixou uma ameaça: "Em Espanha o que te espera é a cadeia".

O vídeo foi depois partilhado pelo próprio Carles Puigdemont no Twitter, com a seguinte mensagem: “Um dia compreenderão que não temos nenhum problema com Espanha. A luta é contra quem exerce o poder despoticamente. A democracia é mais importante do que todas as fronteiras, todas as bandeiras e todas as constituições”.

Puigdemont reclama regresso a Barcelona “sem risco”

Espanha apertou recentemente o cerco para impedir que Carles Puigdemont possa passar a fronteira e chegar à Catalunha, mas o líder separatista disse esta terça-feira em Copenhaga que está a trabalhar para se deslocar ao parlamento catalão. De acordo com o El País, Puigdemont considera o regresso "sem nenhum risco" como "o primeiro passo para a restauração democrática".

Esse é o meu caminho nos próximos dias", indicou Puigdemont, em declarações no parlamento dinamarquês, onde também anunciou que se vai reunir em breve com o novo presidente do parlamento catalão.

Roger Torrent desloca-se na quarta-feira a Bruxelas para se encontrar com os cinco independentistas fugidos à justiça espanhola que foram eleitos nas eleições regionais de 21 de dezembro de 2017 como deputados no parlamento regional, entre eles Carles Puigdemont.

O ex-presidente do governo regional retirou esta terça-feira o pedido para delegar o seu voto de deputado na sessão de investidura, o que leva muitos observadores a pensar que poderá estar a pensar regressar.

O novo presidente do parlamento catalão propôs na segunda-feira o nome do líder separatista para voltar a dirigir o governo da Catalunha, apesar de todos os obstáculos jurídicos que isso implica.

Carles Puigdemont disse segunda-feira, num discurso na Universidade de Copenhaga, que as forças independentistas irão "em breve" formar um novo governo regional, "apesar das ameaças" de Madrid.