O blogger e ativista saudita Raif Badawi voltou a evitar, pela quinta semana consecutiva, a parte das mil chibatadas previstas na sua pena, anunciou a Amnistia Internacional, que pede a sua libertação.

«Raif não foi chicoteado hoje [sexta-feira], novamente. Não temos a certeza porquê, mas ele permanece na prisão», anunciou a organização de direitos humanos na sua conta na rede social Twitter.

Badawi, com 31 anos, levou as primeiras 50 chibatadas da sua sentença no dia 9 de janeiro, no exterior de uma mesquita em Jeddah (oeste), na costa do Mar Vermelho, desencadeando uma onda de indignação internacional.

A sentença previa que o homem levasse 50 chibatadas ao longo de 20 semanas, mas nas duas semanas seguintes o castigo foi adiado devido a razões médicas. No entanto, não foram apresentadas justificações para os adiamentos seguintes.

Raef Badaui, que é co-fundador de um grupo de debate na internet, foi detido em junho de 2012 sob acusações de prática de cibercrime e um juiz ordenou o encerramento da página, depois de ter criticado a polícia religiosa da Arábia Saudita.

O ativista foi inicialmente condenado a sete anos de prisão e 600 chibatadas por insultos ao Islão e por ter criado a rede liberal, mas, após um recurso, a pena foi acrescida para 10 anos de cadeia e mil chibatadas.

A Arábia Saudita, berço do wahhabism, movimento do islamismo sunita ortodoxo, é um reino ultraconservador, onde qualquer crítica à dinastia Al-Saud, às instituições religiosas e ao Islão pode implicar condenações.