Uma cassete com a primeira versão do famoso discurso “I Have a Dream”, de Martin Luther King, foi encontrada no ginásio de uma escola em Rocky Mount, nos EUA. Nove meses antes do momento histórico, na Marcha em Washington, o reverendo juntou duas mil pessoas para partilhar o sonho da igualdade entre negros e brancos.

O discurso que ficou marcado na história data de 1963, mas a primeira versão da palestra foi dada em novembro de 1962, numa escola do Estado da Carolina do Norte. Entre os espectadores estavam 27 jornalistas. Um deles decidiu gravar as palavras de Martin Luther King.

A cassete foi encontrada por um professor de inglês, Jason Miller, 53 anos depois, enquanto investigava informação numa biblioteca local para escrever o seu livro “Origins of a Dream”.

“Meus amigos de Rocky Mount, eu tenho um sonho esta noite”, começa a gravação. “Um sonho profundamente enraizado dentro do sonho americano. Um dia naquele estado da Geórgia, onde queimaram duas igrejas há pouco dias, rapazes e raparigas negros vão poder dar as mãos a raparigas e rapazes brancos e caminhar pelas ruas como irmãos e irmãs”.





Na gravação, as palavras “Eu tenho um sonho” são repetidas oito vezes e também surge o apelo “deixem a liberdade soar”. Um dos momentos altos do discurso, quando Martin Luther King entoa “Livres finalmente! Livres finalmente! Graças a Deus todo poderoso, somos finalmente livres!”, agitou a plateia do ginásio, como o voltaria a fazer meses depois em Washington.

Ciqnuenta e três anos depois, na terça-feira, voltaram a ouvir-se as palavras de Luther King, quando Jason Miller apresentou ao público a gravação, na Universidade da Carolina do Norte. Na plateia estavam presentes três pessoas que tinham ouvido o mesmo discurso ao vivo.