Apesar de os casamentos forçados terem sido banidos na Índia, uma mulher de 20 anos está a lutar para a anulação do casamento que não decidiu para si. Santadevi Meghwal estava prometida desde os 11 meses de idade e, mesmo rejeitando casar, foi forçada pelo conselho da vila onde morava a contrair matrimónio, sob pena de ser expulsa ou pagar uma multa de 1,6 milhões de rúpias (cerca de 23 mil euros).

Santadevi tinha apenas 16 anos quando descobriu que estava prometida desde bebé a um homem que nunca tinha conhecido, quando os futuros sogros apareceram em sua casa e lhe exigiram que fosse viver com eles.

Contudo, a rapariga estava a estudar para ser professora e não desejava abandonar os estudos para se tornar dona de casa. Para além disso, quando conheceu o seu pretendente não gostou dele e achou-o cruel e agressivo. O homem, de 28 anos, começou a segui-la e a ameaçá-la, o que levou os pais de Santadevi a apoiar a ideia de anular o casamento.

A vila onde morava convocou então um conselho de castas para decidir o futuro da jovem e sentenciou que, se casamento não se consumasse, Santadevi deveria abandonar a o local onde vivia ou pagar uma multa no valor de cerca de 23 mil euros.

A rapariga decidiu pedir ajuda a uma ativista, Kriti Bharti, que, com o apoio da Saarthi Trust, uma organização não-governamental para a proteção dos direitos das crianças, está a tentar que o casamento seja anulado por mútuo consentimento e pensa apresentar queixa legal contra o conselho da vila.

Só que a anulação pode demorar mais de um ano se a família do marido tentar dificultar o processo.

“Não estou preocupada. Podem arrastar o caso. Sei que a lei está do meu lado e vou ganhar o caso”, afirmou Santadevi, em entrevista à Gulf News, uma publicação do Dubai e de Abu Dhabi.


Segundo o Huffington Post, a ativista que está a ajudar a rapariga já conseguiu a anulação de 27 casamentos, desde 2012, ano em que a legislação que aboliu este tipo de matrimónios entrou em vigor.

De acordo com as estimativas da UNICEF, 43% das mulheres indianas, entre os 20 e os 24 anos, casam antes dos 18 anos, apesar dos matrimónios arranjados na Índia serem teoricamente ilegais. O país continua a ser o lugar no mundo com maior número de noivas menores de idade.

Desde essa altura, os matrimónios com raparigas menores de 15 anos são mais raros. No entanto, segundo dados recolhidos pela organização Girls Not Brides, os casamentos de jovens entre os 15 e os 18 anos têm aumentado.