A pouco mais de um mês do casamento real, o príncipe Harry e a noiva Meghan Markle informaram que preferem receber donativos para apoiar instituições de solidariedade, em vez de presentes de casamento, anunciou esta segunda-feira, um porta-voz do Palácio de Kensington. 

Os cerca de 2 mil convidados que são esperados na cerimónia devem, então, apoiar uma das sete instituições de caridade escolhidas pelos noivos, relacionadas com questões tão variadas como o papel da mulher na sociedade ou a proteção do meio-ambiente. 

O Palácio Kensington realça no comunicado que os noivos não têm qualquer relação formal com as instituições em causa, sendo que a escolha foi baseada apenas nas causas que estas defendem. 

Muitas delas são pequenas instituições de caridade e o casal está também satisfeito por poder realçar o seu trabalho", lê-se, ainda, no comunicado. 

As organizações apoiadas pelo casamento real serão a CHIVA (Children's HIV Association) que apoia famílias e crianças com sida no Reino Unido e Irlanda; a CRISIS, que ajuda os sem-abrigo, e a Myna Mahila Foundation, que apoia mulheres das favelas de Bombaim, na Índia.

Também a Scotty’s Little Soldiers, instituição que apoia crianças que perderam familiares das Forças Armadas, a StreetGames​, que usa o desporto para tornar as pessoas mais saudáveis, seguras e bem-sucedidas e a Surfers Against Sewage e a The Wilderness Foundation UK, ambas relacionadas com proteção do ambiente, foram escolhidas. 

O casamento real entre o príncipe Harry e Meghan Markle vai ter lugar no Castelo de Windsor, já no próximo dia 19 de maio.