Helen e Joe, um casal norte-americano de Ohio, trocaram votos eternos há setenta e três anos. No dia 15 de outubro, a mulher de 94 anos morreu em casa, em Cincinnati. Apenas 28 horas depois, o marido, com quem partilhou os mais duros e felizes momentos da sua vida, juntou-se a ela – faleceu aos 100 anos.

Os filhos não ficaram surpreendidos, em entrevista ao jornal Enquirer, disseram que o pai conseguia passar uma noite sem a mulher, mas não duas.

O casal, descrito pelos parentes como humilde, casou em 1941, em sete décadas juntos superaram a Grande Depressão, a Segunda Guerra Mundial, e criaram dez filhos.

Joe lutou na Grande Guerra e participou no chamado Dia D,  dia do desembarque da Normandia, em França, que abriu uma nova frente de guerra no Oeste, propícia à libertação da Europa da ocupação nazi. Nessa altura, recebeu uma fotografia da mulher com os primeiros dois filhos, um acabado de nascer. Desde aí que a carregava consigo na carteira. Um dos filhos, Jerry, assegura que ainda lá está.

Juntos na eternidade, este casal deixa em Terra um longo legado de dezasseis netos, vinte e nove bisnetos e um trineto.