«Ouça-se a si próprio seu animal imundo e anormal», «têm sido gravados todos os seus atos de adultério e orgias sexuais que se estendem muito para o passado. Esta é apenas uma pequena amostra», lê-se na carta.


«Há apenas uma coisa que lhe resta a fazer. Você sabe o que é. Tem apenas 34 dias para o fazer», mais um apelo a que atentasse contra a própria vida.
 

«Não é possível acreditares em Deus e agires como ages», «claramente não acreditas em quaisquer princípios morais pessoais», lê-se ainda.