As quatro páginas em que John F. Kennedy expressou o seu amor pela amante vão a leilão. A carta, escrita à mão em outubro de 1963, nunca chegou à destinatária e vai agora a leilão pela RR Auction com um valor inicial de 30 mil dólares (cerca de 27 mil euros).

Segundo a CNN, acredita-se que a destinatária da carta fosse Mary Meyer. A suposta amante de Kennedy era casada com um agente da CIA e foi morta em outubro de 1964.

"Porque não deixas os subúrbios por uma vez - vem-me ver - aqui - ou em Cabo na próxima semana ou no dia 19 em Boston. Sei que é imprudente, irracional, e que podes odiar isto - por outro lado, podes não odiar - e vou adorar isso. Dizes que que é bom para mim não ter aquilo que quero. Depois de tantos anos - deves-me uma resposta mais amorosa que isso. Porque não me dizes que sim?", escreveu Kennedy.

Desconhece-se o motivo por que a carta nunca foi enviada, mas Evelyn Lincoln, secretária pessoal de Kennedy, guardou-a na sua coleção de memorabilia do antigo presidente.

A nota, redigida um mês antes de John F. Kennedy ser assassinado, foi escrita em papel timbrado da Casa Branca, mas o cabeçalho cortado. No entanto, segundo Robert Livingston, vice-presidente executivo da RR Auction, quando se coloca a carta à luz é possível ver as marcas de água do selo presidencial.

A casa responsável pelo leilão revelou que conseguiu "a carta extremamente rara que ostenta conteúdo revelador sobre a vida pessoal de Kennedy durante a presidência" através de um cliente e que a submeteu a testes de caligrafia para determinar a sua autenticidade. 

Robert Livingston contou ainda que registos daquela época mostram que Kennedy se encontrava em Boston a 19 de outubro de 1963 para uma angariação de fundos do Partido Democrata.