Como previsto, o furacão Maria chegou esta quarta-feira à ilha de Porto Rico, com uma força de categoria quatro, deixando o território sem eletricidade e comunicações telefónicas, segundo informações de órgãos de comunicação locais.

A agência noticiosa Reuters refere que a tempestade, a mais forte a atingir o território nos últimos 90 anos, causou inundações, transformando as ruas de várias localidades em rios de lama, detritos e lixo.

Ao assolar a ilha, os ventos do furacão Maria sopravam com velocidades próximas dos 220 quilómetros por hora, já que a tempestade perdeu alguma da sua força ao aproximar-se.

Cerca das 11:00 locais (16:00 em Lisboa) o centro do furacão estava a apenas 40 quilómetros da capital porto-riquenha, San Juan, de acordo com informações do centro geológico norte-americano que estuda furacões (NHC).

Informações veiculadas pela comunicação local davam conta de rios que transbordaram, derrubando árvores e danificando edifícios, como aconteceu no bairro de Hato Rey, em San Juan.

 

República Dominicana prepara-se

Antes de chegar a Porto Rico, o furacão Maria causou desolação e destruição na ilha de Dominica, onde há registo de sete mortes, e no território de administração francesa de Guadalupe, onde terão morrido duas pessoas.

Prevendo-se que o furacão Maria siga a rota desenhada, a República Dominicana fechou a maioria dos seus portos, sob "aviso vermelho", casos dos de La Romana, Samana, Arroyo Barril, Puerto Plata and Manzanillo.