Um adolescente de 16 anos morreu na quarta-feira numa manifestação em Caracas, no primeiro dia da greve geral de 48 horas convocada pela oposição contra a eleição da Assembleia Constituinte, anunciou o Ministério Público venezuelano.

Esta morte eleva a 105 o número de vítimas mortais desde que começaram as manifestações anti-Maduro, no início de abril.

O adolescente, cuja identidade não foi divulgada, é a segunda vítima mortal registada no primeiro dia da greve geral, lançada para tentar bloquear a eleição dos membros da Assembleia Constituinte, através da qual o Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, pretende alterar a Constituição.

É no domingo, 30 de julho, que devem ser eleitos os 545 membros da Assembleia Constituinte para fazer alterações à Constituição da Venezuela.

Já este mês 7,6 milhões de venezuelanos participaram num plebiscito simbólico contra o chefe de Estado e após quase quatro meses de protestos, repressão, violência e bloqueios de estrada contra o regime, durante os quais pelo menos 94 pessoas foram mortas.