Fóssil de cão com 33 mil anos descoberto na Sibéria

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno

Por: Redação / CM    |   7 de Março de 2013 às 01:03
Cientistas russos descobriram, na Sibéria, um dente fossilizado de um cão doméstico que viveu há 33 mil anos, sendo um dos mais antigos alguma vez encontrado, segundo uma revista científica norte-americana.

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno, explicou Anna Druzhkova, investigadora de biologia molecular e celular e uma das principais autoras da pesquisa.

De acordo com a revista PLOS ONE, os cientistas sabem que a domesticação dos cães é mais antiga do que a agricultura, mas não conseguiram determinar exatamente quando é que cães e lobos começaram a ser duas espécies distintas.
PUB
COMENTÁRIOS

PUB
PSD segura maioria absoluta e quer Madeira com «novo rumo»

Partido arrecadou 44,33% dos votos e elegeu 24 deputados. No discurso de vitória, Miguel Albuquerque afirmou que quer renovação. Sem citar o nome de Alberto João Jardim, prometeu cumprir promessas eleitorais e enviou alguns recados para Lisboa. CDS-PP mantém-se como segunda força política. PS e a coligação Mudança falham objetivo. Ato eleitoral foi ensombrado pela abstenção que atingiu o valor recorde de 50,28%