Fóssil de cão com 33 mil anos descoberto na Sibéria

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno

Por: Redação / CM    |   7 de Março de 2013 às 01:03
Cientistas russos descobriram, na Sibéria, um dente fossilizado de um cão doméstico que viveu há 33 mil anos, sendo um dos mais antigos alguma vez encontrado, segundo uma revista científica norte-americana.

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno, explicou Anna Druzhkova, investigadora de biologia molecular e celular e uma das principais autoras da pesquisa.

De acordo com a revista PLOS ONE, os cientistas sabem que a domesticação dos cães é mais antiga do que a agricultura, mas não conseguiram determinar exatamente quando é que cães e lobos começaram a ser duas espécies distintas.
PUB
COMENTÁRIOS

PUB
Corrupção leva polícia à FIFA

No total existem 14 mandados de captura emitidos pelo departamento de Justiça norte-americano, entre os quais se encontram nove responsáveis da FIFA que estão indiciados por suspeitas de corrupção, incluindo dois vice-presidentes. Há sete detidos, seis na Suíça e um em Miami, nos EUA. Operação de detenção foi levada a cabo pela polícia suíça, nas primeiras horas do dia, no luxuoso hotel Baur au Lac, nos Alpes, a pedido da Justiça dos EUA, que solicitou a sua extradição para que sejam julgados por corrupção. Buscas na sede da organização