Fóssil de cão com 33 mil anos descoberto na Sibéria

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno

Por: Redação / CM    |   7 de Março de 2013 às 01:03
Cientistas russos descobriram, na Sibéria, um dente fossilizado de um cão doméstico que viveu há 33 mil anos, sendo um dos mais antigos alguma vez encontrado, segundo uma revista científica norte-americana.

A análise ao ADN extraído do dente permitiu determinar que se tratava de um antepassado do cão moderno, explicou Anna Druzhkova, investigadora de biologia molecular e celular e uma das principais autoras da pesquisa.

De acordo com a revista PLOS ONE, os cientistas sabem que a domesticação dos cães é mais antiga do que a agricultura, mas não conseguiram determinar exatamente quando é que cães e lobos começaram a ser duas espécies distintas.
PUB
Partilhar
COMENTÁRIOS

PUB
Demissão em bloco na urgência do Garcia de Orta

Sete chefes de equipa enviaram carta ao conselho de administração do hospital de Almada. Médicos alegam como motivos da demissão o «agravamento das condições de trabalho», bem como «o risco do ato clínico» e «a segurança dos doentes», que «atingiu um ponto crítico e inaceitável» no serviço de urgência. Duas das oito mortes registadas no início deste ano foram neste hospital