Dois irmãos paquistaneses foram condenados a 12 anos de prisão, depois de a polícia ter encontrado, em casa deles, a cabeça de uma criança de dois anos que os dois homens devoraram.

Um tribunal antiterrorismo no estado de Punjab considerou Mohammad Farman Ali, de 30 anos, e Mohammad Arif Ali, de 35, culpados de profanarem um túmulo, destruírem propriedades e disseminarem o medo.

Sem uma lei específica que incrimine atos de canibalismo, os dois irmãos deverão apresentar um recurso no Supremo Tribunal Punjab, noticia a BBC News.

A dupla já tinha cumprido dois anos de prisão por desenterrar e comer mais de 150 corpos de um cemitério próximo, em 2011.

Depois de terem sido libertados, em maio de 2013, os dois irmãos retomaram calmamente as próprias vidas até a polícia ter sido alertada este ano pela população da pequena aldeia de Khwawar Kalan devido ao intenso cheiro a carne podre que vinha da casa onde moravam.

A 14 de abril, numa busca efetuada à casa dos irmãos, a polícia encontrou a cabeça de um menino de dois anos, que tinha sido enterrado num cemitério próximo. Mohammad Farman Ali e e Mohammad Arif Ali confessaram ter desenterrado o cadáver de uma criança e tê-lo cozinhando-o.