O jornalista turco Can Dündar saiu ileso da tentativa de assassinato que foi alvo à saída do tribunal onde foi julgado pelo regime de Erdogan. O diretor do diário Cumhuriyet foi atingido a tiro, de raspão, na perna enquanto o atacante foi agarrado e imobilizado pela esposa do jornalista para que parasse de disparar.

Estou bem. Isto é a Turquia. Não sabemos quem é o atacante, mas sabemos que eu era um objetivo para ele", afirmou Dündar, citado pelo El País. 

O disparo aconteceu durante uma pausa do julgamento, numa zona onde, para se ter acesso, é necessário passar por um detetor de metais. 

O jornalista era acusado de revelar informações secretas por ter publicado imagens de um suposto envio de armas da Turquia para a Síria. Segundo a BBC, Dündar acabou condenado, juntamente com o jornalista turco Erdem Gul, a cinco anos de prisão.

Uma testemunha disse à agência Reuters que o responsável pelo ataque gritou "traidor" antes de disparar pelo menos três tiros com o objetivo de atingir Can Dündar. 

Segundo a mesma testemunha, um jornalista que estava no local para fazer a cobertura do julgamento teve alguns ferimentos.

O agressor foi detido pela polícia turca.