O ano de 2015 foi o mais quente da década mais quente desde que há registos, informaram esta quarta-feira cientistas norte-americanos, e outros adiantaram que o futuro depende das opções dos humanos.

A climatologista Valerie Masson-Delmotte, que integra o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, admitiu que 2016 “também deve ser muito quente, devido a que o El Niño (um fenómeno meteorológico sazonal que provoca a subida das temperaturas em algumas partes do mundo) deve continuar na primeira metade do ano”.

De acordo com a AFP, Masson-Delmotte adiantou que “o clima está a aquecer e vai continuar a aquecer durante várias décadas” faça a humanidade o que fizer e “vai permanecer quente durante séculos”.