O embaixador de Portugal no Egito, António Tânger Correia, disse hoje à Lusa que a situação no Cairo «está calma» e reiterou que está em contacto com todos os portugueses que estão no país.

Pelo menos 525 pessoas morreram no Egito, em consequência dos confrontos entre a polícia e os apoiantes do Presidente deposto Mohamed Morsi, anunciou o Ministério da Saúde.

Segundo o novo balanço, perderam a vida mais de 450 civis, a que se somam as mortes de 43 polícias.

Na noite de quarta-feira, tinha sido divulgado o registo de quase 280 mortos, incluindo os agentes policiais, e dois mil feridos.

As forças de segurança invadiram na quarta-feira os acampamentos de protesto dos apoiantes do Presidente Morsi.

Em resposta à violência, o Governo interino impôs o estado de emergência e recolher obrigatório durante um mês no Cairo e noutras 13 províncias.

A onda de violência precipitou a saída do vice-presidente Mohamed El-Baradei, que afirmou que a sua consciência estava perturbada com a perda de vidas, principalmente por acreditar que todas aquelas mortes poderiam ter sido evitadas.

Já na quarta-feira à noite, um membro das forças de segurança garantiu que a praça Rabaa al-Adawiya, no Cairo, estava «totalmente sob controlo» e que já não se registavam mais confrontos.

As autoridades afirmaram depois que a calma tinha regressado um pouco por todo o país.