Os especialistas dizem que em 2050 pode já não existir chocolate. É que, segundo um novo estudo, as alterações climáticas vão fazer com que seja quase impossível cultivar uma planta de cacau.

A conclusão consta num estudo da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOOA), a agência governamental norte-americana responsável pelo estudo dos oceanos e da atmosfera.

Os maiores produtores de cacau são a Costa do Marfim, o Gana e a Indonésia, sendo que os primeiros dois produzem mais de metade de todo o chocolate no mundo.

Ora, nestes países, é esperado que a temperatura  aumente cerca de dois graus até 2050. O aumento da temperatura faz com que seja retirada mais água dos solos e das plantas e torna-se pouco provável que as chuvas compensem esta perda de humidade.

Assim, os cientistas chegaram à conclusão que 89,5% da terra onde atualmente se cultiva o cacau vai deixar de ser apropriada para este cultivo daqui a 32 anos.

É que esta planta só cresce sob condições específicas, como temperaturas bastante uniformes e uma humidade elevada. 

No entanto, ainda há esperança para os fãs de chocolate. O estudo apresenta algumas estratégias que podem ser adotadas para fazer face a estas mudanças. Uma delas é fornecer aos produtores de cacau sementes com uma resistência à seca superior.

Entretanto, a fabricante de chocolates Mars associou-se à Universidade da Califórnia para chegar a um novo método que ajude a salvar futuras culturas de cacau.