A casa do dentista norte-americano acusado de matar o leão Cecil foi vandalizada. A propriedade que se situa na Florida, Estados Unidos, foi grafitada com a expressão “Lion Killer!” (“Assassino de Leões”, em português) e, no jardim foram espalhados vários pedaços de carne crua ensanguentada.

   
Walter Palmer está foragido desde que rebentou a polémica. A propriedade em causa é uma casa de féria e fica em Marco Island, no litoral da costa do Golfo do México, na Florida.
 
O Governo do Zimbabué solicitou, na última sexta-feira, a extradição de Walter Palmer.
 
Cecil era o macho dominante do parque onde residia, no Zimbabué. Destacava-se pela juba preta pouco comum e era alvo de uma pesquisa científica sobre a longevidade dos leões da universidade britânica de Oxford. Estava equipado com um colar de georreferenciação.
 
Palmer teria pago 50 mil dólares (mais de 45 mil euros) a um caçador, no início do mês, para matar o leão símbolo do país africano.