Um italiano e o seu filho que viviam no Zimbabué foram mortos por um guarda-florestal quando estavam em patrulha contra a caça furtiva, num aparente caso de confusão de identidades, disse esta segunda-feira um representante da indústria de safaris.

Os dois homens foram mortos no domingo no parque nacional Mana Pools, no norte do Zimbabué.

Claudio Chiarelli, que era um caçador profissional que trazia turistas europeus ao Zimbabué, foi baleado acidentalmente, tal como o seu filho, e ambos morreram”, disse Emmanuel Fundira, diretor da Safari Operators Association, à agência France Presse.

O diretor adiantou ainda que Claudio Chiarelli, de 50 anos, e o filho Massimiliano, de 20 anos, estavam com uma unidade anti-caça furtiva do parque quando foram mortos.

Achamos que foi um caso de confusão de identidade", disse ainda.

Um responsável da embaixada italiana, que não quis ser identificado, disse que Chiarelli, de Padua, vivia no Zimbabué desde 1982 e que o seu filho tinha nascido no país. 

Podemos confirmar que o incidente aconteceu ontem no parque nacional Mana Pools, mas não conhecemos os detalhes exatos", acrescentou. "Estamos em contacto com a família. É uma tragédia. A perda de pai e filho e a má publicidade que a situação trará para o Zimbabué".

O departamento de parques e a polícia zimbabueana informaram estar a investigar o incidente.