O Tribunal Internacional do Camboja condenou, esta quinta-feira, a prisão perpétua os dois ex-líderes dos khmer vermelhos por crimes contra a humanidade, na primeira sentença contra o regime que provocou a morte a 1,7 milhões de pessoas em três décadas.

Os dois condenados são o ideólogo e número dois da organização comunista, Nuon Chea, de 88 anos, e o ex-chefe de Estado do regime, Khieu Samphan, de 83 anos, que negaram as acusações que lhes foram imputadas no processo.

«Milhões de pessoas foram vítimas do ataque global e sistemático contra a população civil», disse o juiz Nil Nonn.